Postagem com tag ‘Avaliação’

Voltando a ativa!!

Olá!!!

Depois de um tempo “fora do ar”, volto com este espaço para discussões sobre educação. Aqui vou postar sobre minhas experiências e disponibilizar materiais que aprendi e construí sozinha ou com minhas alunas, ao longo do tempo, referentes a Educação Matemática, Filosofia para Crianças, Psicopedagogia, Educação Financeira na Escola e  Formação de Professores. Desejo que  todos estes assuntos possam contribuir com a melhoria da Educação, no trato com os estudantes, bem como no dia-a-dia de sala de aula e assim possamos juntos construir um mundo melhor!!

A AVALIAÇÃO é ainda um tema bastante polêmico no ambiente escolar. Aprendi muito com o Mestre Cristiano Muniz sobre como pensar avaliação, como medir os conhecimentos dos alunos a partir dos instrumentos que normalmente utilizamos em sala de aula, além disso, tive outras experiências pois participei do antigo SAEB, avaliando e elaborando itens para o Banco Nacional de ítens, estes que eram utilizados nas provas sistêmicas (Prova Brasil).

Falar sobre avaliação é pensar de forma ampla, pensar em como ela pode ser formativa ajudando os alunos a reconhecerem suas dificuldades ou analizar as respostas com uma visão diagnóstica possibilitando retomar conceitos e conteúdos em sala de aula. Já foi o tempo em que a “prova”era um momento para que os alunos “devolvessem”o conhecimento adquirido, e essa medição serviria para rotular a capacidade dos estudantes. Podemos pensar muito além disso…

Para começar, ao elaborarmos as questões, devemos ter em mente quais os objetivos e/ou ideias que queremos verificar com as situações-problema.  Nas avaliações sistêmicas tipo Prova Brasil, etc, cada questão é referente a uma única ideia ou objetivo que é chamada de descritor, o que não é o caso das avaliações escolares que muitas vezes, numa mesma questão, está em jogo mais de uma ideia ou objetivo. Por isso, para a elaboração de uma questão, devem ser observados tudo que o professor quer avaliar exatamente; Compreensão? Operações? Cálculos? Coesão? Coerência? Definições? Uso da norma padrão? Ortografia? Criatividade e etc…

Depois de identificadas todas as categorias de correção, de cada tipo de questão, de cada área envolvida no instrumento, estas devem ser pontuadas com escores, pontos ou sinais ✔ de acordo com a proposta de cada escola.

Por exemplo, em questões de matemática ou de áreas exatas, podem ser avaliadas:

A compreensão da questão (quando o aluno tira os dados da situação-problema corretamente);

A operação efetuada (quando a operação cobrada na situação-problema é resolvida corretamente);

O resultado da situação-problema (quando é respondida corretamente a situação-problema).

No exemplo acima a questão poderia valer 3 ideias: ✔, ✔, ✔

Situação 1: O aluno acerta as 3 ideias – ✔, ✔, ✔.

Situação 2: O aluno não interpreta a situação-problema e retira os dados errados, mas acerta a operação solicitada com outros números e naturalmente erra a resposta; X, ✔, X

Situação 3: O aluno interpreta corretamente a situação-problema mas erra ao resolver a operação e naturalmente erra a resposta. ✔, X, X

Situação 4: O aluno deixa a questão em branco: ?, ?, ?

Situação 5: O aluno interpreta corretamente, faz a operação corretamente e não responde a situação-problema: ✔, ✔, ?

Situação 6: O aluno interpreta corretamente, faz a operação corretamente e responde errada a situação-problema: ✔, ✔, X

O exemplo mostra que podemos considerar parte da situação-problema, ou seja, as ideias corretas respondidas pelo aluno, motivando e evidenciando a aprendizagem já atingida.

Existem 3 tipos de símbolos:

✔ (acertou a ideia)

X (errou a ideia)

? (não fez a ideia, deixou em branco).

 

Num exemplo do Português ou de áreas humanas, poderíamos considerar, por exemplo, as seguintes categorias (ideias) para correção:

Uso da norma padrão

Respeito a estrutura textual exigida

Organização e seleção das ideias

Utilização de elementos de coesão

Proposta de intervenção que não fira os direitos humanos

 

História e Geografia (ideias):

Uso de expressão que define de forma simples, razoável e completa o solicitado na questão.
Cada categoria poderia ter de 0(zero) a 3 (três) ideias ou níveis de acertos (esta quantidade é sempre de acordo com as ideias e o nível do item ou questão).

Acertou totalmente: ✔, ✔, ✔

Acertou parcialmente e errou: ✔, ✔, X

Acertou parcialmente e deixou em branco ou ficou incompleta: ✔, ?, ?

Acertou pouco e errou mais: ✔, X, X

Devemos ressaltar que, para questões subjetivas, podemos atribuir mais ou menos escores (sinais), aumentando ou diminuindo o nível de dificuldade da questão ou a possibilidade de analisar mais subjetivamente cada categoria.

 

Para a correção da avaliação:

– Todas as ideias devem ser explicitadas na avaliação, ou seja, o número de ideias consideradas deve ser igual ao número total de símbolos da avaliação. Não tem limite de ideias (pontos), nem a necessidade de ser quantidades com números múltiplos, par, impar, decimal ou primo. O que determina a quantidade de pontos são as ideias exploradas na avaliação.

– O professor irá contar apenas as ideias certas ✔ e colocar no cabeçalho da avaliação uma fração onde o numerador é a quantidade de questões certas ✔ e o denominador a quantidade total de ideias na avaliação (somatório dos símbolos ✔, X, ?);

– Por exemplo: Uma avaliação está cobrando 57 ideias e o aluno acertou 39✔, a fração ficará que ao ser conferida pelo aluno chegará ao resultado 6,8 ou 68

– Para o professor fica muito fácil a contagem e a correção da avaliação; A melhor sugestão é que a correção seja feita “questão a questão” , ou seja, corrigir todas as primeiras questões de todos as avaliações e depois ir para a segunda, terceira e assim sucessivamente. A correção de página por página não tem o mesmo efeito, que é o de poder aprofundar em cada ideia cobrada e poder sentir como a turma apreendeu e quais as possibilidades de respostas possíveis fazendo um diagnóstico preciso da aprendizagem de seus alunos;

– Depois de corrigir todas as avaliações ele começará a contagem. Contará em cada avaliação o número de acertos ✔ e escreverá a fração referente.

– Com uma calculadora SIMPLES, ele digitará o número total de acertos. Se for 57 ele digitará 57 : 57 =, que dará 1. Neste instante a calculadora cria uma constante de proporcionalidade e bastará ele ir digitando os acertos de CADA aluno e digitar = (igual), SEM MEXER em mais nenhuma tecla da calculadora e seguir para o próximo aluno.

Recapitulando com outra pontuação:
Total de ideias na avaliação: 87

Na calculadora digita 87 : 87 =

Aparecerá 1 no visor

Digitar o número de acertos ✔ do aluno e a tecla = (por exemplo 80 =)

No caso irá aparecer 0,9195 que poderá ser 9,1 ou 91 ou mesmo 92 se as regras de arredondamento forem combinadas dessa forma. O número do visor é a nota do aluno x 10 ou x 100 conforme o esquema da escola.

Em cima do resultado acima, digitar o total de acertos da próxima avaliação, por exemplo, 73 = que vai resultar 0,83, 8,3 ou 83, e assim sucessivamente…

Com esta forma, os professores estarão subjetivando a correção de maneira racional e justa, sempre considerando todas as ideias envolvidas e a possibilidade de escalonamento para cada ideia. Com isso, a avaliação expressará um resultado mais próximo do que realmente o aluno teve a apresentar como aprendizado do processo educativo.

Com o tempo os alunos aprenderão os símbolos e podem conferir seus pontos, sem ter que checar com o professor o por que da pontuação, pois na correção no quadro, em conjunto, o professor irá mencionar as ideias envolvidas na questão e quantos escores ou pontos elas valiam, tornando o processo transparente e justo.

Depois que aprendi essa forma de correção nunca mais tive um questionamento nas minhas correções para avaliações de matemática para o ensino fundamental, de projetos, de trabalhos ou atividades avaliativas para alunas cursos de graduação e pós-graduação pois torna-se claro e explicito para todos o que realmente está sendo considerado e cobrado em cada questão da avaliação.

Bom trabalho a todos!!

Vida de Professor, não é fácil

Muitos já devem conhecer este material!! Mas é sempre bom refletir a partir dele!! Será que estamos sempre certos? Nós professores?  Nossos instrumentos de avaliação são coerentes com nossas aulas? Precisos? Claros? Não é fácil mesmo, ser professor! Mas aluno também não!! Fica a reflexão…

VIDA DE PROFESSOR, NÃO É FÁCIL…



Gráfico de função

exercício de matemática

questão de matemática

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Videos de Matemática

Avaliação

Dificuldades em Matemática

A Beleza da Matematica

Assinar Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 274 outros assinantes

Enquete

Você gosta de matemática?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...